Voltar ao Hub

Can-Am vence o oitavo título consecutivo no Sertões

Dupla surpreende líderes, vira o jogo e conquista, pela primeira vez, o maior rali das Américas; Can-Am vence o oitavo título consecutivo no Sertões.

Nos areiões dos Lençóis Maranhenses (MA), a dupla Deninho Casarini e Ivo Mayer conquistou o título de grande campeã do Sertões 2020 na categoria UTV com um Can-Am. O Maverick X3 da Casarini Racing, mostrou toda sua superioridade também nessa etapa final e não tomou conhecimento dos desafios. O veículo foi ainda a escolha de 54 dos 56 participantes do maior rali das Américas em 2020.

A bordo do Can-Am Maverick X3, Deninho Casarini e Ivo Mayer fizeram uma prova arrojada, levando pela primeira vez o título do Sertões.

“A nossa estratégia foi apertar os pilotos da frente em todas as etapas, mas sem nunca chamar a responsabilidade do rali para nós. Preferi uma pilotagem mais consciente e cautelosa, mas acelerando até o fim. Perdemos uma vantagem de 30 minutos nessa etapa porque erramos uma parte do caminho, mas conseguimos retomar”, contou Deninho que está em sua 7ª participação no Sertões, sendo seis delas na categoria UTV e uma na categoria Carros.

O vice-campeonato de 2020 foi conquistado pela dupla Rodrigo Luppi e o navegador Maykel Justo, e o 3º lugar do pódio ficou com Marcelo Tomasoni e Breno Resende.

A dupla que estava com as mãos na taça nas últimas etapas saiu frustrada dessa vez. Uma batida em um trecho de pedras danificou uma das rodas, gerando um atraso de 40 minutos. Isso, tirou do pódio Rodrigo Varela e Gunnar Dums, da equipe Can-Am Monster Energy. Os dois lideraram boa parte da disputa, mas caíram para a 5ª posição na geral, quase 11 minutos atrás do campeão. “Infelizmente tivemos esse problema, o que nos atrasou bastante. Conseguimos arrumar o UTV, voltamos para a prova, mas não deu para compensar o tempo perdido. Mas faz parte, isso é rali”, explicou Rodrigo que comemorou o desempenho dos irmãos e do pai, nos Lençóis Maranhenses.

O patriarca da Família da Poeira e campeão do Dakar 2018, Reinaldo Varela, e seu navegador Gustavo Gugelmin ficaram com a 4ª colocação da geral. O piloto que também levou a vitória na categoria Over 45 Pro, reconhece que a realização do Sertões nesse ano foi um grande desafio para a organização e equipes. “Os percalços fazem parte do rali, mas a segurança foi o foco de todas as decisões. O título está em boas mãos, o Deninho fez por merecer. E, a melhor parte é que não precisaremos esperar um ano inteiro para o próximo Sertões”, brinca Reinaldo ao final da sua 21ª participação na competição.

Os campeões do Sertões do ano passado, Deni Nascimento e o navegador Idali Bosse da Bompack Racing, passaram por poucas e boas neste ano, e não cumpriram duas etapas.

Mas, voltam para casa com a vitória na etapa final, e felizes pela oportunidade de conhecerem lugares que só o Sertões e o Maverick X3 proporcionam. “Alcançamos a nossa meta que era buscar a vitória na prova de hoje. Passamos por lugares maravilhosos. Andamos com o pé embaixo o tempo todo, nas dunas, atravessando os rios, e o Maverick X3 resistiu a tudo, passou por todos os obstáculos”, contou Deni Nascimento, que já faz planos para a prova de 2021.

A última etapa do Sertões também computava pontos para o Campeonato Brasileiro de Cross Country, o que confirmou a vitória da dupla Bruno Varela e Gustavo Bortolanza na competição nacional.

“Não foi como gostaríamos, mas estou feliz pela conquista do Campeonato Brasileiro. Foi um rali totalmente diferente do que é o Sertões de verdade, mas superamos os desafios e curtimos essa experiência. Acho que todos estávamos precisando desse momento, nesse cenário do Covid-19, né?”, comentou Bruno.

A equipe feminina, apoiada oficialmente pela Can-Am.

Formada por Helena Deyama e Josi Koerich, da equipe MUSA (Mulheres Unidas Sertões Adentro), também passou por momentos difíceis neste ano, tomando um forfete logo no começo da disputa. As meninas fecharam a participação na última etapa em 27º lugar, e na 41ª posição da geral. “Estou bem contente em ter conseguido terminar a prova hoje. Depois dos problemas, mantive o foco em curtir todos os trechos, curtindo a prova e tudo o que o Maverick X3 pode oferecer para ultrapassar esses terrenos, seja lama, areia, pedra, água, dunas, Isso é o verdadeiro off-road, e o UTV é perfeito para viver isso”, comemorou Heleninha, contando que as etapas canceladas deixaram um gostinho de quero mais.

O piloto de grandes categorias e experiência no automobilismo mundial Nelsinho Piquet participou, pela primeira vez em sua carreira, de uma competição de rali cross-country e ainda com um navegador, Marcos Panstein. O piloto correu pela equipe Varela Divino Fogão Rally Team, pilotando o UTV preferido dos competidores, o Can-Am Maverick X3, veículo da marca campeã do Sertões nos últimos 8 anos. “Estou bastante feliz com esse novo desafio na minha carreira e espero continuar. Gosto dessa adrenalina das competições e correr um Sertões já estava nos meus planos. Era uma questão de tempo, de encontrar os parceiros e o momento certos,” comentou o piloto que venceu uma das etapas na sua categoria e se classificou em 8º entre todos os participantes.

Acompanhe a classificação Geral da categoria UTV:

1 – Deninho Casarini / Ivo Mayer - CAN-AM MAVERICK X3 – 20h40min46seg

2 – Rodrigo Luppi / Maykel Justo - CAN-AM MAVERICK X3 XRC - 20h42min24seg

3 – Marcelo Tomasoni / Breno Resende - CAN-AM MAVERICK X3 - 20h50min07seg

4 - Reinaldo Varela / Gustavo Gugelmin - CAN-AM MAVERICK X3 XRS - 20h51min01seg

5 - Rodrigo Varela / Gunnar Dums – CAN-AM MAVERICK X3 XRS - 20h51min14seg